LabHeN nas mídias

Segue o clipping de algumas de nossas contribuições para as mídias

Alexia Shellard. Colonized bodies: women, nature and indigeneity. 2020

Ana Marcela França. #POSTCORONAUNIVERSITY: An opportunity for Argentine and Brazilian Social Sciences? 2020

Bruno Capilé, Gabriel P. Oliveira, e outros. Ambiente presente: histórias e resiliências da natureza. 2020.

Flávio Telles. Webinário – Manejo – Quem é o responsável pelos Parques Urbanos da Cidade do Rio de Janeiro. 2020.

Gabriel Paes. S. Sales. O teatro da natureza e o mundo. 2020. 

Gabriel P. Oliveira. Transposição do Rio São Francisco reflete disputas políticas históricas no Brasil. 2020.

José Augusto Pádua. O mito da natureza inesgotável e do ‘mato sem valor’ impulsionou desmatamento no Brasil. 2020.

Lise Sedrez. História ambiental e epidemias. 2020. 

Lise Sedrez, José Augusto Pádua e outros. História Ambiental: entre o passado e o futuro. 2020

Lise Sedrez. Meio Ambiente, Cidade e Crise. 2020.

Lise Sedrez. Racismo ambiental: mais perto do que imagina. 2020

Lise Sedrez. Guanabara, os destinos cruzados de uma baía e sua cidade. 2020 

Lise Sedrez. Confinamento ajuda a descontaminar águas da icónica baía do Rio de Janeiro. 2020

Lise Sedrez. O clima faz história: atores e conceitos em disputa nas negociações climáticas. 2020.

Natasha Augusto Barbosa. A história ambiental no Morro da Babilônia, no Leme. Jornal Meia Hora. 2020.

Valéria Fernandes. Nuvens de gafanhotos são sinais de desequilíbrio do planeta e podem se tornar mais frequentes alerta pesquisadora. 2020

Valéria Fernandes. Alterações no clima ajudam a criar nuvens de gafanhoto diz pesquisadora. 2020

Valéria Fernandes. Nuvens de gafanhotos são sinais de desequilíbrio do planeta e podem se tornar mais frequentes alerta pesquisadora. 2020

Valéria Fernandes. Mudança no clima pode tornar nuvens de gafanhotos mais frequentes. 2020

Gabriel Paes S. Sales.Brésil: la forêt de Tijuca, un autre bijou environnemental. 2019.

Gabriel Paes S. Sales. Tese mergulha na história de superação de mata urbana do Rio, que tem cedro de 139 anos e xixá da Amazônia. 2019.

Gabriel Paes S. Sales. Cedro de 139 anos e xixá da Amazônia: tese mergulha na história de superação de mata urbana do Rio. 2019.

Gabriel Paes S. Sales & Rejan Guedes-Bruni..Pesquisa interdisciplinar sobre a Floresta da Tijuca é única brasileira premiada no Congresso Internacional de História Ambiental. 2019.

José Augusto Pádua. José Augusto Pádua: ocupação da Amazônia. 2019

José Augusto Pádua. O que é o mito da natureza inesgotável no Brasil? 2018

Gabriel P. Oliveira. Senado do Império estudou transposição do Rio São Francisco. 2017. 

Gabriel Paes S. Sales. Campanha da Fraternidade e a importância dos biomas brasileiros. 2017.

Gabriel Paes S. Sales, Rogério Oliveira e José Augusto Pádua. A Mata do Pai Ricardo, um tesouro em plena Floresta da Tijuca. 2017.

Gabriel Paes S. Sales, Rogério Oliveira e Alexandro Solórzano.  Pesquisadores encontram mais de 1.280 carvoarias feitas por escravos nos maciços da Pedra Branca e da Tijuca. 2017. 

Gabriel Paes S. Sales, Rogério Oliveira e Alexandro Solórzano.  Pesquisadores encontram mais de 1.280 carvoarias feitas por escravos nos maciços da Pedra Branca e da Tijuca. 2017. 

José Augusto Pádua. Entrevista. O gado bovino “foi uma invasão biológica”. 2017. 

José Augusto Pádua. Preservação dos Parques Nacionais em pauta no Sem Censura. 2017.

José Augusto Pádua – O Dilema do Berço Esplêndido: o Brasil na História do Antropoceno. 2015.

Daniel Dutra. Enchentes do Rio de Janeiro do ponto de vista da história ambiental. Globo Universidade. 2011.